Terça-feira, 24 de Outubro de 2006

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)

              ROUSSEAU     

“Não há nada que esteja menos sob o nosso domínio que o coração, e, longe de podermos comandá-lo, somos forçados a obedecer-lhe”

Rousseau é um filósofo suíço, nasceu em Genebra. Era filho do relojoeiro Isaak Rousseau, que morreu quando ele tinha 10 anos. Mais tarde, foi aluno do Pastor Lambercier, de rígida disciplina moral e religiosa. Precisou trabalhar muito cedo e sentiu o que significava ser maltratado, explorado. Na adolescência, encontrou os portões da sua cidade fechados, quando voltava de uma de suas saídas, opta por vadiar pelo mundo. Acaba por ter como amante uma rica senhora e, sob seus cuidados, estudou música e filosofia. Longe da rica senhora, que estava numa situação financeira má e com outro amante, ele parte para Paris. Aos 37 anos torna-se famoso ao escrever o Discurso Sobre a Origem e Fundamento da Desigualdade Entre os Homens. Acabou por escrever muitas outras obras, de carácter romântico, pedagógico e político. Rousseau rejeita a religião revelada e é censurado. A poder, para ele, deve estar nas mãos do povo. Segundo ele, a população tem que tomar cuidado ao transformar os seus direitos naturais em direitos civis. Após toda uma obra intelectual, fugas às perseguições e uma vida de aventuras, Rousseau acaba por falecer aos 66 anos, no castelo de Ermenonville.

Obras

  • Discurso Sobre a Origem e Fundamento da Desigualdade Entre os Homens
  • Do contrato social
  • Emílio ou Da Educação
  • A Nova Heloísa
  • Devaneios de um Caminhante Solitário
  • Confissões

 PPensamento

 Rousseau aponta para um mundo melhor, privilegia os sentimentos mais nobres e uma condição saudável para o corpo humano, afastando o pensamento para um plano secundário. Pensando bem, Rousseau antecipou alguma temática que irá dominar o pensamento do séc. seguinte: a falta de unidade Homem-Natureza, a valorização do sentimento em perda da razão, e, finalmente, a convicção de que a liberdade humana é passível de ser concretizada.

 Migalhas filosóficas

 “Consultei os filósofos, folheei os seus livros, examinei as suas diversas opiniões; achei-os todos orgulhosos, afirmativos, dog­máticos - mesmo no seu pretenso cepticismo -, não ignorando nada, não demonstrando nada, troçando uns dos outros; e esse ponto, que é comum a todos eles, pareceu-me ser o único em que todos concordavam. Triunfantes quando atacam, não têm vigor quando se defendem. Se examinais as suas razões, só as têm pa­ra destruir; se contais os seus caminhos, cada um está limitado ao seu; só se põem de acordo para discutir; prestar-lhes ouvidos não era o meio de me livrar da minha incerteza. Compreendi que a insuficiência do espírito humano é a pri­meira causa dessa prodigiosa diversidade de sentimentos, e que o orgulho é a segunda.”

 Bibliografia:

  • Wikipédia (pt.wikipedia.org)
  • Dicionário de Biografias, Porto Editora
  • Citador (www.citador.pt)

 Daniela Fernandes nº7 10ºA

 

 

publicado por julmar às 10:41
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27


.posts recentes

. Verbos de que se faz o pã...

. Aniversário

. Matriz - TESTE Nº 5

. Retórica

. Modos de conhecer e lidar...

. Vale a pena Filosofar

. I have a dream

. Viver sempre também cansa...

. Máquina do Mundo

. Livros de cultura científ...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds