Sábado, 26 de Abril de 2008

Matriz - TESTE Nº 5

1.       Conteúdos:

A – Estatuto do Conhecimento Científico

A.1. Conhecimento vulgar e conhecimento científico

A.2. Ciência e construção – validade e verificabilidade das hipóteses (Popper e a crítica à concepção ciência clássica)

A.3. A racionalidade científica e a questão da objectividade

2.       Materiais de Estudo:

- Manual

- Apontamentos das aulas

- Textos disponibilizados na Plataforma e no blogue

 

3.       Estrutura do teste:

Grupo I – 6 conjuntos de questões em que tem de seleccionar a resposta correcta.

Grupo II – 2 conjuntos de questões

1-      Questão tem um pequenino texto com quatro alíneas sobre questões de construção do conhecimento científico

2-      Sobre um pequeno texto de K. Popper são colocadas 3 alíneas sobre o texto e que têm em conta a sua epistemologia

Grupo III

2 questões relacionadas com os filmes visionados: A Harmonia dos Mundos; O Nome da Rosa e Galieleu.

Grupo IV

Vale a pena Filosofar

BOM TRABALHO

publicado por julmar às 14:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Retórica

“A linguagem sofre frequentes abusos no discurso figurativo. Dado que a graça e a fantasia encontram melhor acolhimento no mundo do que a seca verdade e o conhecimento genuíno, os discursos figurativos e a alusão dificilmente serão considerados uma imperfeição ou um abuso da linguagem.
Admito que, nos discursos em que procuramos prazer e diversão em vez de informac
̧ão e instrução, é difícil que os ornamentos desse género passem por falhas. No entanto, se queremos falar das coisas como elas são, temos de reconhecer que toda a arte da retórica, exceptuando aquilo que respeita à ordem e à clareza, que todas as aplicações artificiais e figurativas das palavras criadas pela eloquência servem apenas para insinuar ideias erradas, para excitar as paixões, e assim para nos conduzir ao erro.
De facto, essas aplicac
̧ões são perfeitos logros, e por esta razão, por muito louvável ou aceitável que a retórica possa parecer em discursos e declamações populares, é óbvio que elas têm de ser completamente evitadas em todos os discursos que pretendam informar ou instruir. E onde a verdade e o conhecimento interessam, tais aplicações têm de ser consideradas uma grande falta (...).
Quantas e que aplicac
̧ões são essas, é algo que seria supérfluo indicar aqui. Os livros de retórica que abundam no mundo instruirão aqueles que se queiram informar. Só não posso deixar de observar que a humanidade se preocupa muito pouco com a preservação e o avanço da verdade e do conhecimento, pois as artes da falácia são cultivadas e preferidas.
John Locke,  Ensaio sobre o Entendimento Humano

publicado por julmar às 21:54
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

Modos de conhecer e lidar com a realidade

2.  Evans-Pritchard, um antropólogo, estudou profundamente a crença de um grupo africano na feitiçaria. Eis como descreve uma situação do cotidiano deste grupo:

 

"A princípio achei estranho viver entre os Azande e ouvir suas ingênuas explicações de infortúnios que, para nós, têm causas evidentes. Depois de certo tempo aprendi a lógica do seu pensamento e passei a aplicar noções de feitiçaria de forma tão espontânea quanto eles mesmos, nas situações em que o conceito era relevante. Um menino bateu o pé num pequeno toco de madeira que estava no seu caminho – coisa que acontece freqüentemente na África – e a ferida doía e incomodava. O corte era no dedão e era impossível mantê-lo limpo. Inflamou. Ele afirmou que bateu o dedo no toco por causa da feitiçaria. Como era meu hábito argumentar com os Azande e criticar suas declarações, foi o que fiz. Disse ao garoto que ele batera o pé no toco de madeira porque ele havia sido descuidado, e que o toco não havia sido colocado no caminho por feitiçaria, pois ele ali crescera naturalmente. Ele concordou que a feitiçaria não era responsável pelo fato de o toco estar no seu caminho, mas acrescentou que ele tinha os seus olhos bem abertos para evitar tocos – como, na verdade, os Azande fazem cuidadosamente – e que se ele não tivesse sido enfeitiçado ele teria visto o toco. Como argumento final para comprovar o seu ponto de vista ele acrescentou que cortes não demoram dias e dias para cicatrizar, mas que, ao contrário, cicatrizam rapidamente, pois esta é a natureza dos cortes. Por que, então, sua ferida havia inflamado e permanecido aberta, se não houvesse feitiçaria atrás dela?"

(E. Evans Pritchard. Witchcraft, Oracles and Magic among the Azande. P. 64-67 – citado por Alves, Rubem. In: Filosofia da Ciência – Introdução ao Jogo e suas Regras, pág. 17)
publicado por julmar às 15:53
link do post | comentar | favorito
|

Vale a pena Filosofar

A filosofia não brota por ser útil, mas tão-pouco pela acção irracional de um desejo veemente. É constitutivamente necessária ao intelectual. Porquê? A sua nota radical era buscar o todo como um tal todo, capturar o Universo, caçar o Unicórnio. Mas porquê esse profundo anseio? Por que não nos contentamos com o que, sem filosofar, achamos no mundo, com o que já é e aí está patente diante de nós? Por esta simples razão: tudo o que é e está aí, quanto nos é dado, presente, patente, é por sua essência um mero bocado, pedaço, fragmento, coto. E não podemos vê-lo sem prever e verificar que está a menos a porção que falta. Em todo o ser que é dado, em todo o dado do mundo encontramos a sua essencial linha de fractura, o seu carácter de parte e só parte - vemos a ferida da sua mutilação ontológica, grita-nos a sua dor de amputado, a sua nostalgia do bocado que lhe falta para ser completo, o seu divino descontentamento. Há doze anos, quando eu falava em Buenos Aires, definia o descontentamento «como um amar sem amado e uma como dor que sentimos em membros que não temos». É o achar de menos o que não somos, o reconhecermo-nos incompletos e manetas.

Ortega y Gasset, in 'O Que é a Filosofia?'

publicado por julmar às 15:16
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

I have a dream

Faz 40 anos que M.L.King foi assassinado. Tinha 17 anos. Li, a época, os seus sermões reunidos em livro sob o título « Força para Amar» e marcaram-me para sempre. Os sermões começavam sempre por uma citação bíblica. Um deles intitulava-se «A transformação do inconformista» e citava a epístola de S. Paulo aos Romanos: «Não vos conformeis com este século; transformai-vos pela renovação da vossa mente»

M. L. King também me ajudou a aceder à liberdade pelas exortações feitas:

«Empenhai-vos em descobrir qual a vossa vocação e depois, apaixonadamente, realizai o melhor que puderdes. Esse caminhar consciente para uma realização pessoal é o comprimentoda vida humana».

publicado por julmar às 22:39
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27


.posts recentes

. Verbos de que se faz o pã...

. Aniversário

. Matriz - TESTE Nº 5

. Retórica

. Modos de conhecer e lidar...

. Vale a pena Filosofar

. I have a dream

. Viver sempre também cansa...

. Máquina do Mundo

. Livros de cultura científ...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds