Sexta-feira, 6 de Julho de 2007

ensino secundário

Um guia essencial de estudo da Filosofia
Aqui temos um livrinho, pequeno, que merece a consulta para todos aqueles que fazem do ensino da filosofia a sua profissão. Em Portugal temos trabalhos semelhantes feitos pelos autores dos manuais escolares, que servem como guias das aprendizagens em filosofia e como modelo para realizar o trabalho filosófico. Além do mais temos disponível um livro em tudo semelhante, mas adaptado à realidade portuguesa de Desidério Murcho, A natureza da filosofia e o seu ensino (Plátano, 2002). Trata-se de um pequeno mas importante estudo que reflecte sobre a natureza do ensino da filosofia, a sua especificidade e convida o professor de filosofia a evitar alguns lugares comuns no ensino da filosofia corrigindo aspectos centrais no ensino da disciplina. Deveria ser presença obrigatória na biblioteca do professor de filosofia e de todo aquele que se candidata a esse lugar. Constitui uma pequena e autêntica didáctica da disciplina com muitos conselhos úteis e exemplos práticos.
O livro de Warburton destina-se ao ensino da filosofia ao nível do secundário e fornece os instrumentos para se ensinar correctamente a filosofia, enquanto actividade crítica do pensamento dividindo-se em quatro pontos essenciais:
- Leitura dinâmica.
- Audição dinâmica.
- Discussão dinâmica.
- Escrita dinâmica.
O que entende Warburton por dinâmica? Precisamente que o aluno é agente de intervenção directa na sua aprendizagem na filosofia. Como o autor refere logo na introdução:
A principal coisa a lembrar quando estudares filosofia é que não és um mero espectador de um desporto. Tens de te empenhar nas ideias filosóficas como um filósofo e não um simples repórter das questões, à distância. Estudar filosofia envolve aprender a filosofar.”(p.3)
Este pequeno guia inclui ainda várias secções tais como a de fazer um plano de um pequeno ensaio filosófico, como escrever com clareza, como usar a internet, bibliografias, etc… Particularmente interessante é a secção sobre o plágio. Nela, Warburton dá exemplos práticos de uma citação como plágio e, a mesma citação, trabalhada de modo a não constituir plágio. Termina o livro com uma secção mais alargada dando sugestões de como o aluno se deve preparar para os exames e inclui as habituais sugestões de leitura, bem como endereços de internet que merecem consulta.
Pelo exposto se vê tratar-se de uma obra escrita para os alunos, constituindo um excelente guia, mas também podendo orientar o trabalho dos professores de filosofia. Uma excelente proposta para traduzir em língua portuguesa de interesse marcadamente escolar.
Nigel Warburton, Philosophy: the essential guide, Routledge, 2004, 93 pp.
Rolando Almeida

publicado por julmar às 22:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27


.posts recentes

. Verbos de que se faz o pã...

. Aniversário

. Matriz - TESTE Nº 5

. Retórica

. Modos de conhecer e lidar...

. Vale a pena Filosofar

. I have a dream

. Viver sempre também cansa...

. Máquina do Mundo

. Livros de cultura científ...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds